Lesões Medulares: Caracterização Epidemiológica da Última Década num Hospital de Agudos

Autores

  • Carolina Martins Moreira Centro Hospitalar e Universitário do Porto
  • Maria João Andrade Centro Hospitalar e Universitário do Porto

DOI:

https://doi.org/10.25759/spmfr.299

Palavras-chave:

Lesões Medulares/epidemiologia

Resumo

Introduçao: A lesão medular (LM) é uma das lesões com maior impacto orgânico, psicológico e social. A análise e compreensão da sua evolução epidemiológica, permite ao sistema de saúde implementar medidas preventivas e direccionar recursos no sentido da sua melhor gestão.

O objectivo foi caracterizar a população de LM observada na consulta de Fisiatria do Centro Hospitalar Universitário do Porto, com lesão ocorrida num intervalo de 10 anos

Métodos: Foi realizado um estudo retrospectivo que incluiu 162 doentes observados entre Janeiro 2007 e Dezembro de 2017, com lesão ocorrida neste período. Os dados demográficos e clínicos foram recolhidos dos processos clínicos electrónicos.

Resultados: Noventa cinco doentes (58,65%) apresentavam LM de causa não traumática (LMNT) e 41,35% LM de causa traumática (LMT). Em ambos os grupos houve predomínio do sexo masculino, sem diferença na média de idades, com pico de incidência entre a quinta e sexta décadas de vida. Relativamente à etiologia das LMT assistimos a um predomínio de quedas da própria altura, numapopulaçãomaisenvelhecidaeumnumeromenor de acidentes de viação em populações mais jovens. Comparando o nível neurológico com a etiologia da lesão (traumática versus não traumática), constatamos um predomínio cervical em ambas. Na classificação American Spinal Injury Association Impairment Scale (AIS) deparamo-nos com um predomínio de lesões incompletas no grupo não trauma (LMNT), com significado estatístico (p<0,005).

Conclusão: Os resultados encontrados neste estudo proporcionam informação sobre a realidade das LM em Portugal e refletem a mudança de paradigma relativamente à epidemiologia, nas últimas décadas, com um atingimento preferencial da faixa etária idosa e um aumento progressivo das LMNT.


Referências

Wyndaele M, Wyndaele JJ. Incidence, prevalence and epidemiology of spinal cord injury: what learns a worldwide literature survey? Spinal Cord. 2006;44:523-9. doi: 10.1038/sj.sc.3101893.

Sekhon LH, Fehlings MG. Epidemiology, demographics, and pathophysiology of acute spinal cord injury. Spine. 2001;26:S2-12. doi: 10.1097/00007632200112151-00002.

Almeida C, Ferreira A, Faria F. Lesões medulares não traumáticas - Caracterização da população de um Centro de Reabilitação. Rev Soc Port Med Física e de Reabil. 2011;20: 34-7.

DeVivo MJ. Epidemiology of traumatic spinal cord injury: trends and future implications. Spinal Cord. 2012;50:365–72.

Andrade MJ, Gonçalves S. Lesão Medular Traumática Recuperação Neurológica e Funcional. Acta Med Port. 2007; 20: 401-6.

Kang Y, Ding H, Zhou HX, Wei ZJ, Liu L, Pan DY, et al. Epidemiology of worldwide spinal cord injury: a literature review. J Neurorestoratol. 2018;6:1- 9. Doi:10.2147/JN.S143236.

New P, Rawicki H, Baley M. Nontraumatic spinal cord injury: demographic characteristics and complications. Arch Phys Med Rehabil. 2002; 83: 996-1001.

Rouleau P, Ayoub E, Guertin P. Traumatic and non-traumatic Spinal Cord Injured patient in Quebec, Canada: Epidemiological, Clinical and Functional Characteristics. Open Epidemiol . 2011;4:133-9.

Guilcher S, Munce S, Couris C, Fung K, Craven B, Verrier M, et al. Health care utilization in non-traumatic and traumatic spinal cord injury: a population-based study. Spinal Cord. 2010; 48: 45-50. doi: 10.1038/ sc.2009.78.

Bischoff-Ferrari HA. Relevance of vitamin D in fall prevention. Geriatr Psychol Neuropsychiatr Vieil. 2017; 15:E1-E7 doi:10.1684/pnv.2017.0650

Glerup H, Mikkelsen K, Poulsen L, Hass E, Overbeck S, Andersen H, et al. Hypovitaminosis D myopathy without biochemical signs of osteomalacic bone involvement. Calcif Tissue Int. 2000; 66: 419-24.

Annweiler C, Montero-Odasso M, Schott AM, Berrut G, Fantino B, Beauchet O. Fall prevention and vitamin D in the elderly: an overview of the key role of the non-bone effects. J Neuroeng Re-habil. 2010;7:50. doi: 10.1186/17430003-7-50.

Dhesi JK, Bearne LM, Moniz C, Hurley MV, Jackson SH, Swift CG, et al. Neuromuscular and psychomotor function in elderly subjects who fall 92. and the relationship with vitamin D status. J Bone Miner Res. 2002,17:891-9.

Downloads

Publicado

2023-06-30

Como Citar

1.
Moreira CM, Andrade MJ. Lesões Medulares: Caracterização Epidemiológica da Última Década num Hospital de Agudos. SPMFR [Internet]. 30 de Junho de 2023 [citado 20 de Junho de 2024];35(2):36-42. Disponível em: https://spmfrjournal.org/index.php/spmfr/article/view/299

Edição

Secção

Artigo original

Artigos Similares

1 2 3 4 > >> 

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.