Toxina Botulínica na Síndrome de Frey: Quem Tratar? Relato de Caso e Revisão da Literatura

José Bissaia Barreto, Joana Matos, Sónia Tomé, Vítor Costa Pereira, Inês Táboas, Sofia Toste, Catarina Aguiar Branco

Resumo


A síndrome de Frey é observada maioritariamente após parotidectomias, sendo uma complicação cirúrgica subdiagnosticada que pode causar inibição social e deterioração da qualidade de vida (QV). Apresentamos a descrição de um caso clínico complementado por uma revisão bibliográfica do papel da infiltração com toxina botulínica (BoNT) na síndrome de Frey. Efetuamos uma pesquisa bibliográfica na PubMed utilizando os termos “botulinum toxin”, “gustatory sweating” e “Frey syndrome”, consulta do processo clínico do doente e registo fotográfico do teste de Minor. Relatamos o caso de uma mulher de 43 anos com diagnóstico de adenoma pleomórfico da parótida esquerda submetida a parotidectomia, complicada com sinais/sintomas sugestivos de síndrome de Frey: calor, rubor e sudorese na região parotídea esquerda durante as refeições, com interferência na socialização e QV. O teste de Minor confirmou o diagnóstico. Realizou-se infiltração intradérmica com 46U de BoNT Botox® na área positivada pelo teste de Minor coincidente com a clínica, sem intercorrências. Na reavaliação às 3 semanas, a doente negava hipersudorese (constatável no teste de Minor) e referia melhoria da QV. A síndrome de Frey é uma complicação cirúrgica que pode acarretar inibição social e redução da QV, sendo o seu tratamento sintomático. De todas as opções terapêuticas, a infiltração intradérmica com BoNT tipo A é actualmente a primeira opção, uma vez que é segura e eficaz. O teste de Minor é essencial para otimizar a dose de BoNT, reduzindo assim a possibilidade de ocorrência de efeitos adversos.


Palavras-chave


Sudorese Gustativa/tratamento farmacológico; Toxinas Botulínicas Tipo A/uso terapêutico

Texto Completo:

PDF (English)

Referências


Lopes T, Barroso L, Mesquita M, Bitoque S, Lopez D, Ferreira A. Síndrome de Frey – Uma visão global do tema. Rev Port Estomatol Med Dent Cir Maxilofac. 2013; 54: 103-114. Portuguese. doi: 6210.1016/j.rpemd.2016. 02.002

Motz KM, Kim JY. Auriculotemporal Syndrome (Frey Syndrome). Otolaryngol Clin North Am. 2016 49: 501-9. doi: 10.1016/j.otc.2015.10.010.

Steffen A, Rotter N, König IR, Wollenberg B. Botulinum toxin for Frey’s syndrome: a closer look at different treatment responses. J Laryngol Otol. 2012; 126: 185-9. doi: 10.1017/S0022215111002581.

Gualberto GV, Sampaio FM, Madureira NA. Use of Botulinum toxin type A in Frey´s syndrome. An Bras Dermatol. 2017;92:891-2

Jansen S, Jerowski M, Ludwig L, Fischer-Krall E, Beutner D, Grosheva M. Botulinum toxin therapy in Frey’s syndrome: a retrospective study of 440 treatments in 100 patients. Clin Otolaryngol. 201;42:295-300. doi: 10.1111/coa.12719.




DOI: http://dx.doi.org/10.25759/spmfr.385

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Revista da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação