Protocolo de Atuação nos Recém-Nascidos Prematuros – realidade do Hospital de Faro

Ana Lúcia Gomes, Kátia Ferreira, Ida Frazoa, Carla Joaquim Botelho, Adelaide Aparício, Raquel Melo Medeiros, Jonathan Rios

Resumo


introdução: O nosso objetivo é dar a conhecer o Protocolo de Atuação na Prematuridade que se encontra em vigor num Hospital Central, desde setembro de 2014.

Metodologia: O protocolo inicia-se antes da alta da Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais (UCIN) com uma avaliação neuro-motora por fisiatra de reabilitação pediátrica e terapeuta do neurodesenvolvimento: (1) Terapia individual: < 29 semanas de gestação ou ≤ 1500 g ou alterações neurológicas e/ou potenciais riscos para um desenvolvimento psico-motor não normalizado; (2) Grupo de orientação do recém-nascido pré-termo: 29-34 semanas de gestação e > 1500 g. O grupo de orientação é realizado no Hospital, em 5 sessões (após alta, aos 3, 6, 9 e 12 meses de idade corrigida), sob a orientação de uma equipa multidisciplinar e tendo como foco o desenvolvimento psico-motor e a relação pais/cuidadores-bebé.

Resultados: De setembro de 2014 até ao final de 2016, orientou-se um total de 26 grupos, com uma média de 6 bebés por grupo, perfazendo um total de 145 bebés, sendo que 42 destes entraram em programa de intervenção individual, nalgum momento do seguimento em programa de prevenção. As perdas (por recusa, mudança de residência ou abandono) foram nulas em 2014, seis em 2015 e três em 2016.

Discussão: A maioria dos estudos realizados até à data utiliza uma metodologia de intervenção nos recém-nascidos pré-termo em ambiente domiciliar, sob a orientação de apenas um profissional, focando apenas o desenvolvimento psico-motor e com uma frequência de observação semanal e/ou mensal até aos 2 anos de vida. A conclusão principal de todos os estudos reflete não existirem diferenças significativas no outcome motor nos bebés com e sem intervenção preventiva. Contudo, não focam a sua avaliação nos défices motores minor (prevalência de cerca de 50%) nem na capacidade de modificação/re-estruturação funcional e participação social.

Conclusão: O nosso protocolo segue as orientações de follow-up para recém-nascido de risco, mas difere dos protocolos dos estudos científicos realizados. Pretende-se, futuramente, avaliar de forma estruturada, com escalas de desenvolvimento, o outcome psico-motor destes bebés.


Palavras-chave


Desempenho Psicomotor; Desenvolvimento da Criança; Protocolos Clínicos; Recém-Nascido de Baixo Peso; Recém-Nascido Prematuro; Transtornos das Habilidades Motoras/prevenção e controlo

Texto Completo:

PDF

Referências


Vohr B, Wright L, Hack M, Aylward G, Hirtz D. Follow up Care of High Risk Infants; Pediatrics 2004;114;1377-97.

Marecos C, Oliveira A, Figueriedo H, Cadete A, Cunh M. Fatores Preditivos de Aderência dos Pais a um Programa de Seguimento de Crianças Nascidas de muito baixo peso. EssFisiOnline 2011. Vol 2, No 1.

Nair MKC, Jain N. The High Risk Newborn. 1st Edition;207-208,231-235.

Chaudhari S. Learning problems in children who were "high risk" at birth. Indian Pediatr; 1994;31:1461-64.

Giannì ML, Picciolini O, Vegni C, Gardon L, Fumagalli M, Mosca F. Twelve-Month Neurofunctional Assessment and Cognitive Performance at 36 Months of Age in Extremely Low Birth Weight Infants. Pediatrics; 2007;120:1012-9.

Pandit A; Mukhopadhyay K, Suryawanshi P. Follow up of High Risk Newborns. NNF Clinical Practice Guidelines. 2014.

Salt A, Redshaw M. Neurodevelopmental follow-up after preterm birth: follow up after two years. Early Human Development; 2006; Vol 82: 185-197.

Michael J, Guralnick MJ. Preventive Interventions for Preterm Children: Effectivenes and Developmental Mechanisms. J Dev Behav Pediatr; 2012; 33(4): 352-364.

Guralnick MJ. Why early intervention works: A systems perspective. Infants Young Child; 2011; 24:6–28.

ALS H, Gilkerson L, Duffy F, Mcanulty G, Buehler D, Vandenberg K et al. A three-center randomized, controlled trial of individualized developmental care for very low birth weight preterm infants: medical, neurodevelopmental, parenting and caregiving effects. Developmental and Behavioral Pediatrics; 2003; Vol 24: No 6.

Ottenbacher KJ, Biocca Z, DeCremer G, Gevelinger M, Jedlovec KB, Johnson MB. Quantitative analysis of the effectiveness of pediatric therapy. Emphasis on the neurodevelopmental treatment approach. Physical Therapy; 1986; 66: 1095–101.

Blauw-Hospers C, Hadders-Algra M. A systematic review of the effects of early intervention on motor development. Developmental Medicine and Child Neurology; 2005; 47: 421–32.

Doyle LW, The Victorian Infant Collaborative Study Group. Evaluation of neonatal intensive care for extremely low birthweight infants in Victoria over two decades: I. Effectiveness. Pediatrics; 2004; 113: 505–9.

Bhutta AT, Cleves MA, Casey PH, Craddock MM, Anand KJ. Cognitive and behavioral outcomes of school-aged children who were born preterm: a meta-analysis. JAMA; 2002; 288: 728–37.

Pedersen SJ, Sommerfelt K, Markestad T. Early motor development of premature infants with birthweight less than 2000 grams. Acta Paediatrica 2000; 89: 1456–61.

Thelen E, Smith L. A Dynamic Systems Approach to the Development of Cognition and Action. Cambridge: MIT Press, 1996.

Becker P, Grunwald PC, Brazy JE. Motor organization in very low birth weight infants during caregiving: effects of a developmental intervention. Developmental and Behavioral Pediatrics; 1999; 20: 344–54.

Oliveira A, Cunha M, Ferreira L, Figueirado H, Cadete A, Machado M. Cuidar para o desenvolvimento – intervenção no recém nascido pré termo de muito baixo peso. EssFisiOnline; 2008; Vol 4, No 2.

Spittle A, Orton J, Doyle L, Boyd R. Early developmental intervention programs post hospital discharge to prevent motor and cognitive impairments in preterm infants. Cochrane Collaboration. 2009; Issue 1.




DOI: http://dx.doi.org/10.25759/spmfr.237

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Revista da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação