Importância de Cuidados Inter /Multidisciplinares em Medicina Física e de Reabilitação nos Doentes Agudos Traqueostomizados: A Experiência de um Serviço

Joana Rodrigues Leal, Rita Marques, Ana Alves, Joana Gomes, Jorge Moreira, Filomena Melo, Fernando Moreira, Catarina Aguiar Branco

Resumo


Introdução: Cada vez mais doentes com traqueostomia (DTQ) têm alta de Unidades de Cuidados Intensivos antes da descanulação; o melhor modelo de prestação destes cuidados são as equipas inter/multidisciplinares. O presente trabalho faz uma revisão da literatura acerca deste tema e apresenta um estudo numa Unidade de Doentes Agudos (UDA) hospitalar, co-coordenada por Fisiatra.

Material e Métodos: Estudo observacional retrospetivo da análise da atividade assistencial no internamento em UDA (maio/2011-2013). Recolhida informação dos processos clínicos de 40 DTQ, relativa às variáveis: proveniência, idade, diagnóstico de entrada, patologia médica/cirúrgica, duração de TQ e de internamento hospitalar, percentagem de descanulações, destino após alta. Análise da significância estatística da evolução funcional de toda a amostra e comparativa dos doentes descanulados versus não descanulados. Na revisão da literatura usouse a base de dados eletrónica MEDLINE. Efetuou-se paralelismo entre os dados da UDA e os da literatura.

Resultados: Quarenta DTQ foram internados na UDA. A idade média dos doentes foi 59,6 anos. Descanularam-se 77,5% dos doentes, com sucesso em 100%. O tempo médio de descanulação foi 35 dias e o total de internamento foi 60,9 dias. A diferença de medianas de evolução funcional à data de entrada e alta foi significativa (p < 0,001), tendo os doentes descanulados tido uma evolução funcional superior à dos não descanulados (p = 0,023). A idade média, os tempos de descanulação e de internamento dos doentes da UDA estão no limite superior do descrito nos artigos.

Conclusão: A criação de equipas inter/multidisciplinares que prestem cuidados a DTQ é o melhor modelo de prestação destes cuidados. A UDA representa uma experiência crescente na prestação deste tipo de cuidados. Os doentes descanulados na UDA registaram uma evolução funcional mais favorável do que os não descanulados. A idade média e tempos de descanulação e de internamento estão no limite superior do descrito nos artigos encontrados, provavelmente por mais comorbilidades, índices de gravidade superiores e prestação de reabilitação independentemente de tempos de permanência hospitalar predeterminados. A UDA poderá evidenciar uma nova área de atuação da MFR.


Palavras-chave


Equipa de Assistência ao Doente; Traqueostomia/reabilitação

Texto Completo:

PDF

Referências


de Mestral C, Iqbal S, Fong N. Impact of specialized multidisciplinar

tracheostomy team on tracheostomy care in critically ill patients. Can J

Surg. 2011;54:167-72.

Arabi Y, Haddad S, Shirawi N, Al Shimemeri A. Early tracheostomyin

intensive care trauma patients improves resource utilization:a cohort

study and literature review. Crit Care. 2004;8:R347-52.

Griffiths J, Barber VS, Morgan L, Young JD. Systematic review and metaanalysis

of studies of the timing of tracheostomy in adult patients

undergoing artificial ventilation. BMJ. 2005;330:1243.

Tobin AE, Santamaria JD. An intensivist-led tracheostomy review team is

associated with shorter decannulation time and length of stay: a

prospective cohort study. Crit Care. 2008;12:R48.

Garrubba M, Turner T, Grieveson C. Multidisciplinary care for

tracheostomy patients: a systematic review. Crit Care. 2009;13:R177.

Cameron TS, McKinstry A, Burt SK, Howard ME, Bellomo R, Brown DJ, et

al. Outcomes of patients with spinal cord injury before and after

introduction of an interdisciplinary tracheostomy team. Crit Care Resusc.

;11:14-9.

Cetto R, Arora A, Hettige R, Nel M, Benjamin L, Gomez, CM. Improving

tracheostomy care: a prospective study of the multi-disciplinary approach.

Clin Otolaryngol. 2011;36:482-8.

LeBlanc J, Shultz JR, Seresova A, de Guise E, Lamoreux, Fong J. Outcome

in tracheostomized patients with severe traumatic brain injury following

implementation of a specialized multidisciplinary tracheostomy team. J

Head Trauma Rehabil. 2010;25:362-5.

Pandian V, Miller CR, Mirski MA, Schiavi AJ, Morad AH, Vaswani RS, et al.

Multidisciplinary team approach in the management of tracheostomy

patients. Otolaryngol Head Neck Surg. 2012;147:684-91.

Arora A, Hettige R, Ifeacho S, Narula A. Driving standards in tracheostomy

care: A preliminary communication of the St Mary’s ENT - led

multidisciplinary team approach. Clin Otolaryngol. 2008,33:596-9.

Parker V, Giles M, Shylan G, Austin N, Smith K, Morison J, et al.

Tracheostomy management in acute care facilities – a matter of

teamwork. J Clin Nurs. 2010;19:1275-83.

Scales D, Thiruchelvam D, Kiss A & Redelmeier D. The effect of

tracheostomy timing during critical illness on long-term survival. Crit Care

Med. 2008;36:2547-57.

BSpPath LS, Harding KE. Tracheostomy teams reduce total tracheostomy

time and increase speaking valve use: A systematic review and metaanalysis.

J Crit Care. 2013;28:216.e1-10.




DOI: http://dx.doi.org/10.25759/spmfr.250

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação