Cuidadores Informais: Um Elemento Fundamental na Reabilitação

José Vítor Reis Lopes Gonçalves, Filipa Vilabril, Margarida Pereira, Joana Santos

Resumo


Introdução: Os cuidadores informais são pessoas que cuidam de outra numa situação de doença crónica, deficiência e/ou dependência, parcial ou total, de forma transitória ou definitiva fora do âmbito profissional ou formal. Existem inúmeros papéis associados ao cuidador, sendo que o ato de cuidar está também associado a inúmeros aspetos positivos e negativos que são importantes identificar e discutir para um correto planeamento em saúde. É fundamental para qualquer profissional de saúde conhecer o impacto do ato de cuidador nos cuidadores.

Métodos: As bases de dados utilizadas foram a “Medline”, “PEDro” e “Scielo” onde através da utilização das seguintes palavras-chave “Informal”, “Caregiver”, “Palliative” foi realizada uma revisão narrativa da literatura onde se obtiveram 173 artigos que após leitura dos resumos obtidos e da aplicação de filtros foram selecionados 12 artigos para análise por parte dos autores. Com este trabalho pretendeuse documentar quais as consequências do ato de cuidador nos cuidadores informais.

Resultados: Dos 12 artigos analisados não foi possível obter nenhum impacto positivo associado ao ato de cuidar. Pelo contrário, constataram-se inúmeros os aspetos negativos associados, sendo que estes acabam por afetar mais os cuidadores do género feminino

Discussão: O ato de cuidar está associado a aspetos positivos e negativos que estão amplamente difundidos na literatura. No entanto, apenas os aspetos negativos foram focados nos artigos analisados. O maior impacto destes fatores negativos e a maior prevalência de cuidadores do género feminino estão de acordo com o exposto na literatura.

Conclusão: O envelhecimento mais acelerado da população, associado a uma maior dependência da mesma, vai obrigar um maior número de cuidadores. O ato de cuidar está associado a inúmeros aspetos negativos que obrigam a um correto planeamento em saúde e a uma sensibilização por parte dos profissionais de saúde para o impacto destes aspetos negativos, de forma a poder diminuí-los e a potencializar o apoio prestado pelos cuidadores.


Palavras-chave


Cuidadores; Cuidados Paliativos; Reabilitação.

Texto Completo:

PDF

Referências


Rocha Pereira H. Subitamente Cuidadores Informais Dando voz(es) às experiências vividas. Lisboa: Lusociência; 2013.

Secção de Medicina Física e de Reabilitação da Union Européenne des Médecins Spécialistes (UEMS); Académie Européenne de Médecine de Réadaptation; European Board of Physical and Rehabilitation Medicine. Livro Branco de Medicina Física e de Reabilitação na Europa. Lion: UEMS; 2009.

Eurocarers - European Association Working for Carers [Internet]. Eurocarers.org. 2019 [cited 23 June 2019]. Available from: https://eurocarers.org/

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). Health at a Glance 2017. Paris: OECD indicator; 2017.

Cuidadores | Associação Cuidadores [Internet]. Cuidadores.pt. 2019 [cited 23 June 2019]. Available from: https://www.Cuidadores.pt/

União Europeia. Informal care in Europe - Exploring Formalisation, Availability and Quality. Brussels: UE; 2018.

Reigada C, Pais-Ribeiro JL, Novellas A, Gonçalves E. The caregiver role in palliative care: a systematic review of the literature. Health Care Curr Rev. 2015;03: 143. doi: 10.4172/2375-4273.1000143

Ferreira F, Pinto A, Laranjeira A. Validação da escala de Zarit: sobrecarga do Cuidador em cuidados paliativos domiciliários, para população portuguesa. Cadernos Saúde. 2010; 3: 3-19.

Washington KT, Pike KC, Demiris G, Parker Oliver D, Albright DL, Lewis AM. Gender Differences in Caregiving at End of Life: Implications for Hospice Teams. J Palliat Med. 2015;18:1048-53. doi: 10.1089/jpm.2015.0214.

Vellone E, Fida R, Cocchieri A, Sili A, Piras G, Alvaro R. Positive and negative impact of caregiving to older adults: a structural equation model. Prof Inferm. 2011;64:237-48.

Pinquart M, Sorensen S. Gender differences in caregiver stressors, social resources, and health: An updated metaanalysis. J Gerontol B Psychol Sci Soc Sci. 2006;61:P33–P45.

Redecker C, Reig J, Carrión T, Martinez S, Armayones M, McCarthy D. The potential of ICT in supporting domiciliary care in Spain. Brussels: European Commission, Joint Research Center; 2010.

DiGiacomo M, Hatano Y, Phillips J, Lewis J, Abernethy AP, Currow DC. Caregiver characteristics and bereavement needs: Findings from a population study. Palliat Med. 2017;31:465-74. doi: 10.1177/0269216316 663855.

Schrank B, Ebert-Vogel A, Amering M, Masel EK, Neubauer M, Watzke H, et al. Gender differences in caregiver burden and its determinants in family members of terminally ill cancer patients. Psychooncology. 2016;25:808-14. doi: 10.1002/pon.4005.

Abernethy A, Burns C, Wheeler J, Currow D. Defining distinct caregiver subpopulations by intensity of end-of-life care provided. Palliat Med. 2009;23:66-79. doi: 10.1177/0269216308098793.

Harding R, Gao W, Jackson D, Pearson C, Murray J, Higginson IJ. Comparative analysis of informal caregiver burden in advanced cancer, dementia, and acquired brain injury. J Pain Symptom Manage. 2015;50:445-52. doi: 10.1016/j.jpainsymman.2015.04.005.

Maltby KF, Sanderson CR, Lobb EA, Phillips JL. Sleep disturbances in caregivers of patients with advanced cancer: A systematic review. Palliat Support Care. 2017;15:125-40. doi: 10.1017/S1478951516001024.

Nielsen MK, Neergaard MA, Jensen AB, Bro F, Guldin MB. Psychological distress, health, and socio-economic factors in caregivers of terminally ill patients: a nationwide population-based cohort study. Support Care Cancer. 2016 ;24:3057-67. doi: 10.1007/s00520-016-3120-7.

Ejem D, Bauldry S, Bakitas M, Drentea P. Caregiver burden, care recipient depressive symptomology, and social exchange: does race matter? J Palliat Care. 2018;33:100-8. doi: 10.1177/0825859718758120.

Hirdes JP, Freeman S, Smith TF, Stolee P. Predictors of caregiver distress among palliativehome care clients in Ontario: Evidence basedon the interRAI Palliative Care. Palliat Support Care. 2012 ;10:155-63. doi: 10-1017/S1478951511000824.

Gayoso MV, Avila MA, Silva TA, Alencar RA. Comfort level of caregivers of cancer patients receiving palliative care. Rev Lat Am Enfermagem. 2018;26:e3029. doi: 10.1590/1518-8345.2521.3029.

Poort H, Peters ME, Gielissen MF, Verhagen CA, Bleijenberg G, van der Graaf WT, et al. Fatigue in Advanced Cancer Patients: Congruence Between Patients and Their Informal Caregivers About Patients' Fatigue Severity During Cancer Treatment With Palliative Intent and Predictors of Agreement. J Pain Symptom Manage. 2016;52:336-44. doi: 10.1016/j.jpainsymman.

02.017.

Shaffer KM, Jacobs JM, Nipp RD, Carr A, Jackson VA, Park ER, et al. Mental and physical health correlates among family caregivers of patients with newlydiagnosed incurable cancer: a hierarchical linear regression analysis. Support Care Cancer. 2017;25:965-71. doi: 10.1007/s00520-016-3488-4.




DOI: http://dx.doi.org/10.25759/spmfr.365

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Revista da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação