Prevalência de Disfunção Sexual em Mulheres com Incontinência Urinária

Mafalda Oliveira, Susana Moreira

Resumo


Introdução: O objetivo do estudo foi evidenciar qual a prevalência de disfunção sexual (DS) numa população de mulheres portuguesas com incontinência urinária (IU), procurando verificar que fatores se possam associar a essa condição.

Métodos: Estudo transversal em mulheres entre os 18 e os 65 anos, referenciadas à consulta de Medicina Física e de Reabilitação - Reabilitação do Pavimento Pélvico de um hospital terciário por IU de esforço ou mista, no período de janeiro/2018 a junho/2019. Identificaram-se as mulheres com DS aplicando o Índice de Funcionamento Sexual Feminino (IFSF) e a presença de sintomas de depressão/ansiedade aplicando o questionário Hospital Anxiety & Depression Scale (HADS). A gravidade da IU foi estimada com base no International Consultation on Incontinence Questionnaire - Short Form (ICIQ-SF). Elaborou-se uma base de dados e análise estatística utilizando o Software SPSS versão 25 e consideraram-se significativos os valores de p<0,05.

Resultados: Amostra final de 59 mulheres, com idades entre os 31 e os 64 anos (média: 45 anos). A duração da IU variou entre 6 meses e 20 anos (mediana: 5 anos). A maioria (59,6%) apresentou DS. Não existiu diferença estatisticamente significativa entre as idades médias dos grupos com e sem DS. Apresentaram critérios de depressão 39% das mulheres e de ansiedade 20,3%. A presença destas patologias associou-se de forma estatisticamente significativa com a presença de DS (p=0,001 para depressão e p=0,011 para ansiedade). A gravidade da IU não foi diferente entre os grupos com e sem DS.

Conclusão: A IU afeta vários aspetos da qualidade de vida, entre os quais a função sexual, como aponta este estudo, dada a elevada prevalência de DS na amostra avaliada, independentemente da idade da mulher, da duração da IU ou da gravidade da mesma. Isto reforça a importância de que esta seja identificada e corretamente abordada. Nesta população também se verificou uma prevalência importante de patologia depressiva/ansiosa, que se relacionou significativamente com a presença de DS, podendo ser esta um fator preponderante para o desenvolvimento ou uma consequência dessas perturbações psicopatológicas, pelo que não devem ser menosprezadas.


Palavras-chave


Ansiedade; Depressão; Disfunções Sexuais Psicológicas; Incontinência Urinária

Texto Completo:

PDF

Referências


Haylen BT, de Ridder D, Freeman RM, Swift SE, Berghmans B, Lee J, et al. An International Urogynecological Association (IUGA)/International Continence Society (ICS) joint report on the terminology for female pelvic floor dysfunction. Neurourol Urodyn. 2010;29:4-20. doi: 10.1002/nau.20798.

Fatton B, de Tayrac R, Costa P. Stress urinary incontinence and LUTS in women-effects on sexual function. Nat Rev Urol. 2014;11:565-78. doi: 10.1038/nrurol.2014.205.

Duralde ER, Rowen TS. Urinary Incontinence and Associated Female Sexual Dysfunction. Sex Med Rev. 2017;5:470-85. doi: 10.1016/j.sxmr.2017.07.001.

Botlero R, Urquhart DM, Davis SR, Bell RJ. Prevalence and incidence of urinary incontinence in women: review of the literature and investigation of methodological issues. Int J Urol. 2008;15:230-4.

Kwon BE, Kim GY, Son YJ, Roh YS, You MA. Quality of life of women with urinary incontinence: a systematic literature review. Int Neurourol J. 2010;14:133-8.

Radoja I, Degmecic D. Quality of Life and Female Sexual Dysfunction in Croatian Women with Stress-, Urgency- and Mixed Urinary Incontinence: Results of a Cross-Sectional Study. Medicina. 2019;55:240. doi: 10.3390/medicina55060240.

Coyne KS, Sexton CC, Thompson C, Kopp ZS, Milsom I, Kaplan SA. The impact of OAB on sexual health in men and women: results from EpiLUTS. J Sex Med. 2011;8:1603-15. doi: 10.1111/j.1743-6109.2011.02250.x.

Vitale SG, La Rosa VL, Rapisarda AM, Lagana AS. Sexual Life in Women with Stress Urinary Incontinence. Oman Med J. 2017;32:174-5. doi: 10.5001/omj.2017.33.

Pechorro P, Diniz A, Almeida S, Vieira R. Validação portuguesa do índice de Funcionamento Sexual Feminino (FSFI). Lab Psicol. 2009;7:33-44.

Wiegel M, Meston C, Rosen R. The female sexual function index (FSFI): cross-validation and development of clinical cutoff scores. J Sex Marital Ther. 2005;31:1-20.

Rosen R, Brown C, Heiman J, Leiblum S, Meston C, Shabsigh R, et al. The Female Sexual Function Index (FSFI): a multidimensional self-report instrument for the assessment of female sexual function. J Sex Marital Ther. 2000;26:191-208. doi: 10.1080/009262300278597.

Pais-Ribeiro J, Silva I, Ferreira T, Martins A, Meneses R, Baltar M. Validation study of a Portuguese version of the Hospital Anxiety and Depression Scale. Psychol Health Med. 2007;12:225-35; quiz 235-227.

Tamanini JT, Dambros M, D'Ancona CA, Palma PC, Rodrigues Netto N, Jr. [Validation of the "International Consultation on Incontinence Questionnaire - Short Form" (ICIQ-SF) for Portuguese]. Rev Saude Publica. 2004;38:438- 44.

Salonia A, Munarriz RM, Naspro R, et al. Women's sexual dysfunction: a pathophysiological review. BJU Int. 2004;93:1156-64.

Rosen RC, Taylor JF, Leiblum SR, Bachmann GA. Prevalence of sexual dysfunction in women: results of a survey study of 329 women in an outpatient gynecological clinic. J Sex Marital Ther. 1993;19:171-88.

Stadnicka G, Lepecka-Klusek C, Pilewska-Kozak A, Jakiel G. Psychosocial problems of women with stress urinary incontinence. Ann Agric Environ Med. 2015;22:499-503. doi: 10.5604/12321966.1167723.

Jha S, Strelley K, Radley S. Incontinence during intercourse: myths unravelled. Int Urogynecol J. 2012;23:633-7. doi: 10.1007/s00192-011-1583-

Urwitz-Lane R, Ozel B. Sexual function in women with urodynamic stress incontinence, detrusor overactivity, and mixed urinary incontinence. Am J Obstet Gynecol. 2006;195:1758-61.

Direção Geral da Saúde. Portugal, Saúde mental em números – 2014. Lisboa: DGS; 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.25759/spmfr.459

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Revista da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação