Telereabilitação no Tratamento da Incontinência Urinária: Uma Alternativa em Tempos de Pandemia?

Catarina Reis Lima, Susana Moreira

Resumo


Introdução: A incontinência urinária (IU) é um problema frequente, particularmente nas mulheres. A abordagem de primeira linha para a IU é conservadora e inclui alterações do estilo de vida, treino vesical e reeducação muscular do pavimento pélvico (RMPP). A RMPP pode ser realizada em diferentes formatos: sessões individuais supervisionadas, aulas de grupo ou exercícios no domicílio, de acordo com um plano individualizado.

A pandemia SARS-CoV-2 levou ao atraso ou cancelamento de tratamentos de reabilitação em muitos doentes, tendo a telereabilitação ganho importância. O objetivo da presente revisão é a análise da evidência relativa a diferentes métodos de telereabilitação utilizado no tratamento da IU.

Métodos: Foi realizada uma pesquisa na base de dados PubMed com os termos “telerehabilitation”, “telemedicine”, “app”, “smartphone”, “mobile health” ou “videoconfe- rence”, em combinação com “pelvic floor” ou “urinary incontinence”.

Resultados: Nove artigos foram analisados. Os métodos utilizados foram aplicações móveis (6 estudos), com ou sem aparelho de biofeedback; aulas de grupo por videoconferência (1 estudo); programa de RMPP via website (1 estudo); sistema de lembrete via smartphone (1 estudo). Aulas de grupo por videoconferência mostraram resultados similares aos obtidos em sessões individuais supervisionadas de RMPP. Os programas baseados em aplicações móveis mostraram superioridade relativamente à ausência de tratamento (tratamento adiado). Os programas de RMPP via website ou aplicação móvel parecem obter resultados semelhantes a instruções por escrito para exercícios no domicílio. Não parece existir benefício adicional em associar aparelho de biofeedback a um programa por aplicação móvel. Em homens após prostatectomia, um programa de RMPP baseado em aplicação móvel acelerou a melhoria da IU. A utilização de tecnologias parece fomentar a adesão e satisfação com os programas.

Conclusão: A telereabilitação na IU apresenta-se como uma alternativa útil na ausência de programas presenciais supervisionados, apresentando resultados comparáveis aos de exercícios realizados no domicílio e contribuindo para a adesão e satisfação com os tratamentos. Estudos adicionais são necessários relativamente à sua aplicabilidade em populações idosas e aos resultados a longo prazo.


Palavras-chave


pélvico; Aplicações Móveis; Comunicação por Videoconferência; Incontinência Urinária/ reabilitação; Incontinência Urinária/tratamento;; Internet; Modalidades de Fisioterapia; Pandemia; Pavilhão Pélvico; Telemedicina; Terapia por Exercício

Texto Completo:

PDF

Referências


Abrams P, Cardozo L, Wagg A, Wein A. (Editors). Incontinence 6th Edition. Bristol UK: ICI-ICS International Continence Society; 2017

Website Associação Portuguesa de Urologia [Internet]. Prevalência e tratamento de Incontinência Urinária na População Portuguesa Não Institucionalizada. Disponível em: https://www.apurologia.pt/pdfs/estud-epidem-incont-08.pdf

Dumoulin C, Glazener C, Jenkinson D, Determining the Optimal Pelvic Floor Muscle Training Regimen for Women with Stress Urinary Incontinence, Neurourology and Urodynamics. 2011;30:746–753

Website World Health Organization. [Internet]. Telemedicine – Opportunities and developments in Member States. Disponível em https://www.who.int/goe/ publications/ goe_telemedicine_2010.pdf

Hui E, Lee PS, Woo J. Management of urinary incontinence in older women using videoconferencing versus conventional management: a randomized controlled trial. J Telemed Telecare. 2006;12(7):343-7

Sjöström M, Umefjord G, Stenlund H, Carlbring P, Andersson G, Samuelsson E. Internet-based treatment of stress urinary incontinence: a randomised controlled study with focus on pelvic floor muscle training. BJU Int. 2013;112(3):362-72

Kinouchi K, Ohashi K. Smartphone-based reminder system to promote pelvic floor muscle training for the management of postnatal urinary incontinence: historical control study with propensity score-matched analysis. PeerJ. 2018;6:e4372

Asklund I, Nyström E, Sjöström M, Umefjord G, Stenlund H, Samuelsson E. Mobile app for treatment of stress urinary incontinence: A randomized controlled trial. Neurourol Urodyn. 2017;36(5):1369-1376

Araujo CC, Marques AA, Juliato CRT. The Adherence of Home Pelvic Floor Muscles Training Using a Mobile Device Application for Women With Urinary Incontinence: A Randomized Controlled Trial. Female Pelvic Med Reconstr Surg. 2020;26(11):697-703

Wang X, Xu X, Luo J, Chen Z, Feng S. Effect of app-based audio guidance pelvic floor muscle training on treatment of stress urinary incontinence in primiparas: A randomized controlled trial. Int J Nurs Stud. 2020;104:103527

Junwen S, Rongjiang W. The Efficacy of the WeChat App Combined with Pelvic Floor Muscle Exercise for the Urinary Incontinence after Radical Prostatectomy. Biomed Res Int;2020:6947839

Carrión Pérez F, Rodríguez Moreno MS, Carnerero Córdoba L, Romero Garrido MC, Quintana Tirado L, García Montes I. Tratamiento de la incontinencia urinaria de esfuerzo mediante telerrehabilitación. Estudio piloto [Telerehabilitation to treat stress urinary incontinence. Pilot study]. Med Clin (Barc). 2015;144(10):445-8

Dufour S, Fedorkow D, Kun J, Deng SX, Fang Q. Exploring the Impact of a Mobile Health Solution for Postpartum Pelvic Floor Muscle Training: Pilot Randomized Controlled Feasibility Study. JMIR Mhealth Uhealth. 2019;7(7):e12587

Dumoulin, C., Alewijnse, D., Bo, K., Hagen, S., Stark, D., Van Kampen, M., Dean, S. Pelvic-Floor-Muscle Training Adherence: Tools, Measurements and Strategies-2011 ICS State-of-the-Science Seminar Research Paper II of IV. Neurourol Urodyn, 2015; 34(7), 615-621

Alewijnse D, Mesters I, Metsemakers J, et al. Predictors of intention to adhere to physiotherapy among women with urinary incontinence. Health Educ Res 2001;16:173–186

Borello-France D, Burgio KL, Goode PS, et al. Adherence to behavioral interventions for stress incontinence: rates, barriers, and predictors. Phys Ther 2013;93:757–773

Hoffman V, Söderström L, Samuelsson E. Self-management of stress urinary incontinence via a mobile app: two-year follow-up of a randomized controlled trial. Acta Obstet Gynecol Scand. 2017;96(10):1180-1187

Cifu D. Braddom’s Physical Medicine and Rehabilitation. 5th edition. Philadelphia, US: Elsevier; 2015

Dufour SP, Graham S, Friesen J, Rosenblat M, Rous C, Richardson J. Physiotherapists supporting self-management through health coaching: a mixed methods program evaluation. Physiother Theory Pract 2015;31(1):29-38




DOI: http://dx.doi.org/10.25759/spmfr.452

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Revista da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação