A Medicina Física e de Reabilitação Integrada numa Rede Nacional de Trauma

João Malta, Joana Santos-Costa, António Azenha, João Pinheiro

Resumo


Os autores realizam uma revisão narrativa, abordando a especificidade da intervenção da MFR após o trauma, nomeadamente no que respeita à avaliação clínica, prevenção de sequelas de imobilidade, reabilitação da mobilidade, reabilitação da sarcopenia, reabilitação respiratória, reabilitação cognitiva, reabilitação psicológica, e reabilitação domiciliária. De forma mais superficial, abordam também algumas especificidades após reconstrução ou amputação traumática de membros, lesão vertebromedular, traumatismo cranioencefálico, lesão de nervos periféricos, e traumatismo torácico. Os objetivos de um programa de reabilitação serão discutidos com o doente, com a família e/ou com os cuidadores, e são revistos regularmente. Devem ser monitorizáveis e devem ter um significado que seja motivante para o doente, e ajustados à sua situação clínica. É também importante a uniformização da avaliação da funcionalidade e da qualidade de vida da vítima de trauma ao longo de todo o processo de reabilitação, com a utilização de escalas. Muitos doentes mantêm necessidade de internamento em Centro de Reabilitação após a alta do Centro de Trauma. O objetivo de uma Rede de Trauma não é apenas garantir a sobrevivência imediata, mas também promover a retoma da atividade e participação social das vítimas. É importante a integração efetiva da MFR nos Centros de Trauma, com vista à articulação dos cuidados de reabilitação em adequação às necessidades das vítimas de trauma.


Palavras-chave


Centros de Reabilitação; recuperação da Função; Trauma/reabilitação

Texto Completo:

PDF

Referências


Despacho n.º 2534/2021 – Diário da República n.º 45/2021, Série II de 2021-03-05.

Grupo de Trabalho de Trauma. Normas de Boa Prática em Trauma. Ordem dos Médicos; 2009.

National Institute for Health and Care Excellence. Rehabilitation after traumatic injury: NICE guideline DRAFT (July 2021). [consultado 2021 agosto 16]. Disponível em: https://www.nice.org.uk/guidance/GID-NG10105/documents/draft-guideline.

Veríssimo MT. Geriatria Fundamental. Lisboa: Lidel; 2014.

Cruz-Jentoft A, et al. Sarcopenia: revised European consensus on definition and diagnosis. Age Ageing. 2019;48:1(16-31).

Wahlen BM, Mekkodathil A, Al-Thani H, El-Menyar A. Impact of sarcopenia in trauma and surgical patient population: A literature review. Asian J Surg. 2020; 43(6):647-653.

Xi F et al. Sarcopenia associated with 90-day readmission and overall survival after abdominal trauma. Asia Pac J Clin Nutr. 2020;29(4):724-731.

English KL, Paddon-Jones D. Protecting muscle mass and function in older adults during bed rest. Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 2010;13(1):34–9.

Smetana GW. Strategies to reduce postoperative pulmonary complications in adults. [consultado 2021 maio 23]. Disponível em: UpToDate, Post TW (Ed). Waltham, MA: UpToDate; 2021.

Branco PS. Temas de Reabilitação - Reabilitação Respiratória. Porto: Medesign - Edições e Design de Comunicação, Lda; 2012.

Van Aswegen H. Physiotherapy management of patients with trunk trauma: A state-of-the-art review. South African Journal of Physiotherapy. 2020;76(1).

Iaccarino MA, Bhatnagar S, Zafonte R. Rehabilitation after traumatic brain injury. Handb Clin Neurol. 2015;127:411-422.

Ferreira P, Ferreira L, Pereira L. Contributos para validação da versão portuguesa do EQ-5D. Acta Med Port. 2013;26(6):664-675.

Nehra D, Nixon ZA, Lengenfelder C, Bulger EM, Cuschieri J, Maier RV, Arbabi S. Acute Rehabilitation after Trauma: Does it Really Matter? J Am Coll Surg. 2016;223(6):755-763.

Lancaster CW, DiMaggio C, Marshall G, Wall S, Ayoung-Chee P. Functional outcomes after inpatient rehabilitation for trauma-improved but unable to return home. J Surg Res. 2018;222:187-194.e3.




DOI: http://dx.doi.org/10.25759/spmfr.438

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Revista da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação