Mesoterapia no Tratamento da Lombalgia Crónica

João Bernardo Cunha, Ana Úrsula Martins, Rita Marques, Jorge Moreira, Maria Manuel Baptista, Catarina Aguiar-Branco

Resumo


Introdução: A lombalgia é uma das principais causas de dor crónica e um dos motivos mais frequentes de referenciação para a Consulta de Medicina Física e de Reabilitação (MFR). A dor lombar crónica pode acarretar uma incapacidade funcional marcada e é causa comum de absentismo laboral. O objetivo deste trabalho foi o de avaliar a eficácia da mesoterapia no alívio da lombalgia crónica e averiguar se esse alívio tem impacto funcional no dia-a-dia dos doentes.

Material e Métodos: Foi realizado um estudo quasi experimental pré pós, num Serviço de MFR, avaliando todos os doentes com lombalgia crónica que realizaram mesoterapia no período de março a novembro de 2014, aplicando-se os questionários “Inventário Resumido da Dor” (IRD) e o “Questionário de Incapacidade de Roland Morris” (QIRM) antes e após quatro ciclos de tratamentos de mesoterapia com anti-inflamatório, anestésico local e relaxante muscular.

Resultados: Foram incluídos 26 doentes, 80,8% mulheres e 19,2% homens, com uma média de idades de 54,8 anos. O diagnóstico mais frequente foi o de lombalgia inespecífica (34,6%). Na análise do IRD verificou-se uma descida de 2,6 pontos nas escalas de gravidade da dor após a mesoterapia, achado estatisticamente significativo (p = 0,000). Relativamente ao impacto funcional da dor, avaliado pela IRD, constatou-se uma descida de 1,7 pontos, resultado estatisticamente significativo (p = 0,000). No QIRM verificou-se uma diminuição de 4,5 pontos após a mesoterapia (p = 0,000).

Conclusão: Apesar de poucos artigos descritos na literatura, a mesoterapia parece conduzir ao alívio da lombalgia, o que proporciona uma melhoria na qualidade de vida dos doentes. Portanto, a mesoterapia pode ser uma alternativa válida à abordagem convencional da lombalgia.


Palavras-chave


Lombalgia/tratamento; Mesoterapia

Texto Completo:

PDF

Referências


Romão J. Comemorações do Dia Nacional de Luta Contra a Dor: “Impacto Social da Dor”. Em: 3º Congresso Interdisciplinar de Dor, 14-16 de Outubro, Lisboa, Portugal. Porto: Associação Portuguesa para o Estudo da Dor

(APED); 2010.

Martins I. Lombalgias: Porque tantos insucessos terapeuticos? Dor.2006:14.

Mammucari M, Gatti A, Maggiori S, Sabato AF. Role of mesotherapy in musculoskeletal pain: opinions from the italian society of mesotherapy. Evid Based Complement Alternat Med. 2012;2012:436959. doi:

1155/2012/436959.

Mammucari M, Vellucci R, Mediati D, Migliore A, Cuomo A, Maggiori E, et al. What is mesotherapy? Recommendations from an international consensus. Trends Med. 2014; 14:1-10.

Costantino C, Marangio E, Coruzzi G. Mesotherapy versus Systemic Therapy in the Treatment of Acute Low Back Pain: A Randomized Trial. Evid Based Complement Alternat Med. 2011;2011. pii: 317183. doi:

1155/2011/317183.

Azevedo L, Pereira A, Dias C, Agualusa L, Lemos L, Romão J,et al. Tradução, Adaptação Cultural e Estudo Multicêntrico de Validação de Instrumentos para Rastreio e Avaliação do Impacto da Dor Crónica. Dor.

; 15.

Monteiro J, Faísca L, Nunes O, Hipólito J. Questionário de Incapacidade de Roland Morris. Acta Med Port. 2010;23:761-6. Epub 2010 Oct 22.

Herreros FO, Moraes AM, Velho PE. Mesotherapy: a bibliographical review. An Bras Dermatol. 2011 ;86:96-101.




DOI: http://dx.doi.org/10.25759/spmfr.289

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Revista da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação