Disreflexia Autonómica: O Que se Sabe nos Serviços de Urgência em Portugal?

Mónica Bettencourt, Maria da Paz Carvalho, Filipa Faria

Resumo


Introdução: A disreflexia autonómica é uma complicação da lesão medular que ocorre em doentes com nível neurológico superior ou igual a T6. Devido ao seu início súbito e quadro clínico exuberante com hipertensão arterial paroxística, os doentes frequentemente recorrem aos Serviços de Urgência, que na sua maioria têm profissionais de saúde com reduzida experiência/contato com esta condição. Este fato pode resultar em atraso no diagnóstico e no tratamento adequado resultando em complicações como o AVC, convulsões e até a morte. Pretendemos determinar o nível de conhecimento de uma amostra de conveniência de médicos que trabalham no Serviço de Urgência de hospitais portugueses acerca da disreflexia autonómica e sugerir medidas para melhorar o seu conhecimento sobre esta síndrome.

Material e Métodos: Foi criado um questionário online anónimo de escolha múltipla com 7 questões de resposta rápida sobre a disreflexia autonómica e seu modo de atendimento no Serviço de Urgência, dirigido a médicos internistas que trabalham no Serviço de Urgência de alguns hospitais portugueses centrais e distritais.

Resultados: Responderam ao nosso questionário 41 médicos. Destes, cerca de 31 sabiam em que consiste a disreflexia autonómica, no entanto apenas 9 observaram um doente com esta síndrome no Serviço de Urgência. Onze sabiam o valor da pressão sistólica normal nos tetraplégicos, mas 8 desconheciam os sintomas da disreflexia autonómica e 10 não sabiam como atuar perante um doente com esta patologia. Quando questionados sobre o seu grau de conhecimento sobre a disreflexia autonómica e seu tratamento, 30 dos questionados assumiram que este é “insuficiente” e 8 diziam mesmo “não saber nada sobre este assunto”. Para a maioria (33) seria “muito útil” que os doentes fossem portadores de um cartão informativo sobre a disreflexia autonómica quando recorressem ao Serviço de Urgência com um episódio de disreflexia.

Conclusões: É vital o reconhecimento desta síndrome clínica que pode conduzir à morte, cujo tratamento correto e atempado reduz as eventuais complicações. Tratando-se de uma situação rara, o conhecimento dos médicos que realizam urgência nos nossos hospitais pode não ser o suficiente. Sendo assim, a Medicina Física e Reabilitação tem um importante papel na sensibilização e informação sobre a disreflexia autonómica.


Palavras-chave


Competência Clínica; Conhecimentos, Atitudes e Prática em Saúde; Disreflexia Autonómica; Emergências; Serviço de Urgência Hospitalar

Texto Completo:

PDF

Referências


National Spinal Cord Injury Statistical Center. Facts and figures at a glance. Birmingham: University of Alabama at Birmingham; 2013.

DeLisa, Joel A. Physical Medicine & Rehabilitation: Principles and Practice. 4th ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins; 2005.

Roque V, Cunha I, Rocha A, Andrade M. Disfunções autonómicas após lesão medular. Rev Soc Port Med Fis Reabil. 2013; 24: 43-51.

Andrade L, Araújo E, Andrade K, Souza D, Garcia T, Chianca T. Disreflexia autonômica e intervenções de enfermagem para pacientes com lesão medular. Rev Esc Enferm USP. 2013; 47:93-100

Khastgir J, Drake M, Abrams P. Recognition and effective management of autonomic dysreflexia in spinal cord injuries. Expert Opin Pharmacother. 2007; 8:945-56.

Jackson C, Acland R. Knowledge of autonomic dysreflexia in the emergency department. Emerg Med J. 2011; 28:866-9.

Moeller B, Scheinberg D. Autonomic dysreflexia in injuries below the sixth thoracic segment. JAMA. 1973; 224:1295.

Bycroft J, Shergill I, Choong E, Arya N, Shah P. Autonomic dysreflexia: a medical emergency. Postgrad Med J. 2005; 81:232–5.

Gunduz H, Binak D. Autonomic dysreflexia: An important cardiovascular complication in spinal cord injury patients. Cardiol Jl. 2012; 19:215-9.

Krassioukov A, Warburton D, Teasell R, Janice J, The SCIRE Research Team. A systematic review of the management of autonomic dysreflexia following spinal cord injury. Arch Phys Med Rehabil. 2011; 90: 682–95.

Kulcu D, Akbas B, Citci B, Cihangiroglu. Case report: autonomic dysreflexia in a man with multiple sclerosis. J Spinal Cord Med. 2009; 32:198-203.

Cragg J, Krassioukov A. Five things to know about autonomic dysreflexia. CMAJ. 2012; 184:66.

Somani BK. Autonomic dysreflexia: a medical emergency with spinal cord injury. Int J Clin Pract. 2009;63:350-2.

Showkathali R, Antionio T. Autonomic dysreflexia: a medical emergency. J R Soc Med. 2007; 100:382–3.

Popa C, Popa F, Grigorean VT, Onose G, Sandu AM, Popescu M, et al. Vascular disfunctions following spinal cord injury. J Med Life. 2010; 3:275-85.

PVA. Acute management of autonomic dysreflexia: adults with spinal cord injury presenting to health-care facilities. 2nd ed. Washington: Paralyzed Veterans of America; 2001

Furlan J. Autonomic Dysreflexia: a clinical emergency. J Trauma Acute Care Surg. 2013; 75: 496-500.

Milligan J, Lee J, McMillan C, Klassen H. Autonomic dysreflexia: Recognizing a common serious condition in patients with spinal cord injury.Can Fam Physician. 2012;58:831-5.

McGillvray C, Hitzig S, Craven B, Tonack M, Krassioukov A. Evaluating knowledge of autonomic dysreflexia among individuals with spinal cord injury and their families. J Spinal Cord Med. 2009;32:54-62.




DOI: http://dx.doi.org/10.25759/spmfr.212

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação