Enfarte medular – da revisão teórica à prática clínica

Maria Pais Carvalho

Resumo


Introdução:

O síndrome isquémico agudo da medula espinhal (SIAME), ou enfarte medular, é uma entidade rara, com uma prevalência de 1-2% de todas as patologias isquémicas agudas do sistema nervoso central. Existem vários fatores que podem condicionar a perfusão sanguínea medular e em alguns casos a etiologia permanece desconhecida.

Apresentamos dois casos clínicos, admitidos num internamento de Reabilitação, e comparamos o seu padrão e evolução clínica com os estudos mais recentes da literatura.

Caso clínico:

Uma melhor, de 55 anos, admitida por uma tetraplegia incompleta nível neurológico C8, por enfarte medular de etiologia desconhecida. O segundo caso aborda um homem, de 58 anos, que desenvolveu subitamente um quadro de tetraplegia incompleta nível neurológico C6, após um enfarte cardíaco. Em ambos os casos, a ressonância magnética identificou lesões compatíveis com isquémia medular. Após reabilitação, ambos apresentaram uma boa evolução clínica e funcional. À alta encontravam-se independentes nas atividades de vida diária e faziam marcha de forma autónoma com auxiliares.

Discussão:

O SIAME apresenta-se com variados padrões clínicos, dependendo do nível de lesão e do território vascular afetado. Os dois casos apresentam clínica sugestiva de enfarte da artéria espinhal anterior, e encontram-se em concordância com os achados mais recentes da literatura. Estes demonstram que o melhor fator de prognóstico é o grau de incapacidade à admissão, determinado pela classificação da American Spinal Injury Association. Em termos de recuperação, as análises de casos confirmam que doentes submetidos a um programa de reabilitação holístico e individual apresentam uma boa evolução funcional.

Palavras-chave


isquémia da medula espinhal, doenças vasculares da medula espinhal, etiologia, síndrome clínico, reabilitação

Referências


O enfarte medular é uma entidade rara.

O melhor fator de prognóstico é o grau de incapacidade à admissão, determinado pela classificação da American Spinal Injury Association.

Doentes submetidos a um programa de reabilitação holístico e individual apresentam uma boa evolução funcional.




DOI: http://dx.doi.org/10.25759/spmfr.205

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Revista da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação