Proposta de Algoritmo de Abordagem ao Doente com Disfagia Neurogénica: Indicações para Requisição de Exames Complementares de Diagnóstico

Autores

  • David Almeida Reis Serviço de Medicina Física e de Reabilitação, Centro Hospitalar e Universitário de São João, Porto, Portugal
  • Frederico Costa Serviço de Medicina Física e de Reabilitação, Centro Hospitalar e Universitário de São João, Porto, Portugal
  • Ana Vaz Serviço de Medicina Física e de Reabilitação, Centro Hospitalar e Universitário de São João, Porto, Portugal
  • Hugo Amorim Serviço de Medicina Física e de Reabilitação, Centro Hospitalar e Universitário de São João, Porto, Portugal
  • Nilza Pinto Serviço de Medicina Física e de Reabilitação, Centro Hospitalar e Universitário de São João, Porto, Portugal
  • Isabel Lopes Serviço de Medicina Física e de Reabilitação, Centro Hospitalar e Universitário de São João, Porto, Portugal
  • Maria José Festas Serviço de Medicina Física e de Reabilitação, Centro Hospitalar e Universitário de São João, Porto, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.25759/spmfr.479

Palavras-chave:

Deglutição, Endoscopia/métodos, Fluoroscopia/métodos, Perturbações da Deglutição/ diagnóstico por imagem,

Resumo

A disfagia está presente em cerca de 65% dos doentes em fase aguda de acidente vascular cerebral, sendo também um sintoma prevalente em muitas outras doenças neurológicas. A avaliação instrumental da deglutição (AID) é o gold-standard no diagnóstico da disfagia neurogénica, mas esta nem sempre se encontra disponível. Algoritmos e/ou indicações explícitas para a requisição de exames complementares de diagnóstico (ECD) na avaliação destes doentes não se encontram atualmente disponíveis na literatura. O objetivo deste trabalho é propor indicações explícitas para a requisição de ECD na disfagia neurogénica do adulto, elaborando um algoritmo de abordagem para a avaliação destes doentes.Revisão narrativa da literatura através de pesquisa na base de dados Medline. Foram incluídas revisões e guidelines publicadas nos últimos 5 anos. Foram incluídas publicações consideradas de interesse citadas nos artigos selecionados.Atualmente existem 2 gold-standards na AID: videofluoroscopia da deglutição (VFD) e videoendoscopia da deglutição (VED). Ambos demonstraram elevada sensibilidade e especificidade no diagnóstico de disfagia e na definição da sua etiologia. Contudo, a sua realização requer equipamento e pessoal especializado que nem sempre se encontram disponíveis. Assim, com base na literatura, propomos que todos os doentes adultos com doença neurológica que se encontrem em risco de desenvolver disfagia devem ser submetidos a rastreio da disfagia, usando um dos protocolos disponíveis para o efeito, o mais precocemente possível. Aqueles que apresentem um rastreio positivo ou que tenham outros preditores para disfagia (ainda que com rastreio negativo), devem efetuar uma avaliação clínica da deglutição (ACD). A requisição de ECD deve ser feita de acordo com as seguintes indicações: 1) pneumonia de aspiração ou desnutrição progressiva em certos doentes com doença neurológica; 2) disfagia avaliada clinicamente sem etiologia definida; 3) disfagia avaliada clinicamente em doente não colaborante; 4) disfagia em doente com défice marcado da sensibilidade faríngea; 5) disfagia sob terapia da deglutição com evolução não concordante com o expectável.A indisponibilidade da VFD/VED em certos contextos, leva a que a ACD, apesar de não ser tão confiável, substitua frequentemente a AID como ferramenta diagnóstica, modificadora da dieta e orientadora da terapêutica. Assim, são fundamentais a abordagem sistematizada do doente com disfagia neurogénica e a definição de indicações para a requisição dos ECD.

Referências

Panebianco M, Marchese-Ragona R, Masiero S, Restivo DA. Dysphagia in neurological diseases: a literature review. Neurol Sci. 2020;41:3067-73. doi:10.1007/s10072-020-04495-2

Pereira N, Lima C, Coutinho M. Protocolo de Avaliação da Disfagia Neurogénica: dados preliminares da disfagia no AVC. [Tese de Mestrado em Terapia da Fala: área de Especialização em Motricidade Orofacial e Deglutição, Escola Superior de Saúde do Alcoitão]. Repositório Comum. http://hdl.handle.net/10400.26/36302

Warnecke T, Labeit B, Schroeder J, Reckels A, Ahring S, Lapa S, et al. Neurogenic Dysphagia: Systematic Review and Proposal of a Classification System. Neurology. 2021;96:e876-e89. doi:10.1212/WNL.0000000000011350

Dziewas R, Allescher HD, Aroyo I, Bartolome G, Beilenhoff U, Bohlender J, et al. Diagnosis and treatment of neurogenic dysphagia - S1 guideline of the German Society of Neurology. Neurol Res Pract. 2021;3:23. doi:10.1186/s42466-021-00122-3

Bax L, McFarlane M, Green E, Miles A. Speech-language pathologist-led fiberoptic endoscopic evaluation of swallowing: functional outcomes for patients after stroke. J Stroke Cerebrovasc Dis. 2014;23:e195-200. doi:10.1016/j.jstrokecerebrovasdis.2013.09.031

Dziewas R, Michou E, Trapl-Grundschober M, Lal A, Arsava EM, Bath PM, et al. European Stroke Organisation and European Society for Swallowing Disorders guideline for the diagnosis and treatment of post-stroke dysphagia. Eur Stroke J. 2021;6:LXXXIX-CXV. doi:10.1177/23969873211039721

Giraldo-Cadavid LF, Leal-Leano LR, Leon-Basantes GA, Bastidas AR, Garcia R, Ovalle S, et al. Accuracy of endoscopic and videofluoroscopic evaluations of swallowing for oropharyngeal dysphagia. Laryngoscope. 2017;127:2002-10. doi:10.1002/lary.26419

Labeit B, Ahring S, Boehmer M, Sporns P, Sauer S, Claus I, et al. Comparison of simultaneous swallowing endoscopy and videofluoroscopy in neurogenic dysphagia. J Am Med Dir Assoc. 2021;23:1360-6. doi:10.1016/j.jamda. 2021.09.026

Pekacka-Egli AM, Kazmierski R, Lutz D, Pekacka-Falkowska K, Maszczyk A, Windisch W, et al. Reassessment of poststroke dysphagia in rehabilitation facility results in reduction in diet restrictions. J Clin Med. 2021;10. doi:10.3390/jcm10081714

Cohen DL, Roffe C, Beavan J, Blackett B, Fairfield CA, Hamdy S, et al. Post-stroke dysphagia: A review and design considerations for future trials. Int J Stroke. 2016;11:399-411. doi:10.1177/1747493016639057

Cardoso AR, Guimaraes I, Santos H, Carvalho J, Abreu D, Goncalves N, et al. Cross-cultural adaptation and validation of the Swallowing Disturbance Questionnaire and the Sialorrhea Clinical Scale in Portuguese patients with Parkinson's disease. Logoped Phoniatr Vocol. 2021;46:163-70. doi:10.1080/14015439.2020.1792979

Vieira DO. Validação da versão portuguesa do questionário SWAL-QoL em doentes com patologia oncológica da cabeça e pescoço. [Dissertação de Mestrado em Oncologia]: Porto: Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar; 2011.

Oliveira IJ, Couto GR, Moreira A, Gonçalves C, Marques M, Ferreira PL. The portuguese version of the gugging swallowing screen: results from its application. Millenium. 2021:93–101. doi:10.29352/mill0216.24585

Matos J, Guimarães B, Silva J, Brandão S, Toste S, Alves A, Moreira J, Reis P, Aguiar Branco C. Alterações na deglutição após entubação orotraqueal prolongada: prevalência e evolução. Rev Soc Port Med Fis Reabil. 2021;33:10-7.

Farneti D, Genovese E. Correlations between bedside and instrumental endoscopic parameters in determining severity of dysphagia: an integrated clinical evaluation of safety and efficiency. Acta Otorhinolaryngol Ital. 2020;40:277-81. doi:10.14639/0392-100X-N0474

Azpeitia Arman J, Lorente-Ramos RM, Gete Garcia P, Collazo Lorduy T. Videofluoroscopic evaluation of normal and impaired oropharyngeal swallowing. Radiographics. 2019;39:78-9. doi:10.1148/rg.2019180070

Steele CM, Peladeau-Pigeon M, Barbon CAE, Guida BT, Namasivayam-MacDonald AM, Nascimento WV, et al. Reference Values for Healthy Swallowing Across the Range From Thin to Extremely Thick Liquids. J Speech Lang Hear Res. 2019;62:1338-63. doi:10.1044/2019_JSLHR-S-18-0448

Martin-Harris B, Brodsky MB, Michel Y, Castell DO, Schleicher M, Sandidge J, et al. MBS measurement tool for swallow impairment--MBSImp: establishing a standard. Dysphagia. 2008;23:392-405. doi:10.1007/s00455-008-9185-9

Rosenbek JC, Robbins JA, Roecker EB, Coyle JL, Wood JL. A penetration-aspiration scale. Dysphagia. 1996;11:93-8. doi:10.1007/BF00417897

Hwang CH. Swallowing study using water-soluble contrast agents may increase aspiration sensitivity and antedate oral feeding without respiratory and drug complications: A STROBE-compliant prospective, observational, case-control trial. Medicine. 2022;101:e29422. doi:10.1097/MD. 0000000000029422

Seo HG, Oh BM, Han TR. Longitudinal changes of the swallowing process in subacute stroke patients with aspiration. Dysphagia. 2011;26:41-8. doi:10.1007/s00455-009-9265-5

Dziewas R, Baijens L, Schindler A, Verin E, Michou E, Clave P, et al. European Society for Swallowing Disorders FEES Accreditation Program for Neurogenic and Geriatric Oropharyngeal Dysphagia. Dysphagia. 2017;32:725-33. doi:10.1007/s00455-017-9828-9

Neubauer PD, Rademaker AW, Leder SB. The Yale Pharyngeal Residue Severity Rating Scale: An Anatomically Defined and Image-Based Tool. Dysphagia. 2015;30:521-8. doi:10.1007/s00455-015-9631-4

Allen JE, Clunie GM, Winiker K. Ultrasound: an emerging modality for the dysphagia assessment toolkit? Curr Opin Otolaryngol Head Neck Surg. 2021;29:213-8. doi:10.1097/MOO.0000000000000708

Downloads

Ficheiros Adicionais

Publicado

2024-05-06

Como Citar

1.
Reis DA, Costa F, Vaz A, Amorim H, Pinto N, Lopes I, et al. Proposta de Algoritmo de Abordagem ao Doente com Disfagia Neurogénica: Indicações para Requisição de Exames Complementares de Diagnóstico. SPMFR [Internet]. 6 de Maio de 2024 [citado 24 de Julho de 2024];35(1):15-2. Disponível em: https://spmfrjournal.org/index.php/spmfr/article/view/479

Edição

Secção

Artigo de Revisão

Artigos Similares

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.