Enfarte Medular: Da Revisão Teórica à Prática Clínica

Maria Pais Carvalho Correio, Anabela Ferreira, Vera Ermida, Irina Peixoto, Pedro Teixeira, Mário Ferreira Vaz, Nelson Albuquerque, Jorge Caldas

Resumo


Introdução: A síndrome isquémica aguda da medula espinhal , ou enfarte medular, é uma entidade rara, com uma prevalência de 1-2% de todas as patologias isquémicas agudas do sistema nervoso central. Existem vários fatores que podem condicionar a perfusão sanguínea medular e em alguns casos a etiologia permanece desconhecida. Apresentamos dois casos clínicos, admitidos num internamento de Reabilitação, e comparamos o seu padrão e evolução clínica com os estudos mais recentes da literatura.

Caso Clínico: Uma mulher, de 55 anos, admitida por uma tetraplegia incompleta AIS (American Spinal Injury Association Impairment Scale) C nível neurológico único C8, por enfarte medular de etiologia desconhecida. O segundo caso aborda um homem, de 58 anos, que desenvolveu subitamente um quadro de tetraplegia incompleta AIS C nível neurológico único C6, após um enfarte cardíaco. Em ambos os casos, a ressonância magnética identificou lesões compatíveis com isquémia medular. Após reabilitação, ambos apresentaram uma boa evolução clínica e funcional. À alta encontravam-se independentes nas atividades de vida diária e faziam marcha de forma autónoma com auxiliares.

Discussão: A síndrome isquémica aguda da medula espinhal apresenta-se com variados padrões clínicos, dependendo do nível de lesão e do território vascular afetado. Os dois casos apresentam clínica sugestiva de enfarte da artéria espinhal anterior, e encontram-se em concordância com os achados mais recentes da literatura. Estes demonstram que o melhor fator de prognóstico é o grau de incapacidade à admissão, determinado pela classificação da American Spinal Injury Association Impairment Scale (AIS) Em termos de recuperação, as análises de casos confirmam que doentes submetidos a um programa de reabilitação holístico e individual apresentam uma boa evolução funcional.


Palavras-chave


Avaliação da Incapacidade; Enfarte; Isquémia da Medula Espinhal/reabilitação; Medula Espinhal

Texto Completo:

PDF

Referências


Nedeltchev K, Loher T J, Stepper F. Long-term outcome of acute spinal

cord ischemia syndrome. Stroke. 2004;35:560-5.

Salvador de la Barrera S, Barca-Buyo A, Montoto-Marqués A. Spinal cord

infarction: prognosis and recovery in a series of 36 patients. Spinal Cord.

;39:520-5.

Willey J, Barnett H, Mohr J P autores, Spinal Cord Ischemia. In: Mohr JP,

editor, Stroke Pathophysiology, Diagnosis, and Management. 5ª ed.

Philadelphia: Elsevier;2011. p.643-57.

Geldmacher DS. Vascular Diseases of the Nervous System, Spinal Cord

Vascular Disease. In: Daroff RB, editor. Bradley’s neurology in clinical

practice. 6th ed. Philadelphia: Elsevier;2012. p.1095-1102.

Kumral E, Polat F, Gulluoglu H, Uzunköprü C, Tuncel R, Alpaydin S. Spinal

ischaemic stroke: clinical and radiological findings and short-term

outcome. Eur J Neurol. 2011;18:232-9.

New PW, McFarlane CL. Survival following spinal cord infarction. Spinal

Cord. 2013;51:453-6.

Vongveeranonchai N, Zawahreh M, Strbian D, Sundararajan S. Evaluation

of patient with spinal cord infarction after a hypotensive episode. Stroke.

;45:203-.5

Robertson C, Brown RD Jr, Wijdicks EF, Rabinstein. Recovery after spinal

cord infarcts. Long-term outcome in 115 patients. Neurology.

;78:114-21.




DOI: http://dx.doi.org/10.25759/spmfr.255

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação