Paralisia Cerebral na Criança - caracterização clínica e funcional

Sílvia Magalhães, Revelino Lopes, Francisco Simas, Virgínia Reis, Maria Ana Vasconselos, Isabel Batalha

Resumo


Introdução: A Paralisia Cerebral (PC), designação que engloba um grupo de desordens permanentes e nãoprogressivas da postura e do movimento causadas por lesão cerebral até aos 5 anos de idade, é a causa maisfrequente de deficiência em idade pediátrica. As suas repercussões são variadas, podendo determinar alterações cognitivas, motoro-posturais, sensoriais e da comunicação, e assim comprometer de forma mais ou menosacentuada o adequado desenvolvimento psico-motor da criança.

Objectivo: Caracterizar as crianças com PC seguidas em Consulta de Reabilitação Pediátrica dos pontos de vistaepidemiológico, sócio-demográfico e funcional, e descrever as complicações neuro-ortopédicas mais frequentesnesta população.

População e Métodos: Estudo longitudinal retrospectivo das crianças com PC seguidas na Consulta do Serviço deReabilitação Pediátrica e Desenvolvimento do Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão (CMRA), nascidasentre os anos 2001-2005. Foram colhidos nos processos clínicos os dados sócio-demográficos e clínicos, bem comoas pontuações dos vários sistemas de classificação utilizados habitualmente.

Resultados: Das 75 crianças seguidas, 40% apresentavam limitações graves em termos motores e da capacidademanipulativa bimanual. 21 crianças (28%) apresentavam alterações oromotoras graves ou muito graves. Um terçotinha alterações graves ou muito graves da comunicação e a maioria (67%) apresentava algum grau de déficecognitivo. 41% das crianças seguidas tinham défice sensorial (visão e/ou audição).As deformidades dos membros inferiores foram as complicações neuro-ortopédicas mais comuns, seguidas dasdeformidades dos membros superiores e das cifoescolioses. Os doentes espásticos bilaterais foram os queapresentaram maior número de complicações e por isso, beneficiaram mais da administração de toxina botulínica.40% dos internamentos tiveram como motivo a reabilitação pós-cirurgia ortopédica, nomeadamentealongamentos do tendão de Aquiles (50 %), osteotomias varizantes da anca (34 %) e tenotomia dos adutores(16%).

Conclusões: O estabelecimento do perfil funcional das crianças e adolescentes com PC seguidas em Consulta éfundamental para identificar e caracterizar de forma fácil e rápida a população seguida. Para tal, contribuem deforma determinante diversos sistemas de classificação padronizados. O reconhecimento dos quadros clínicosmais frequentes permite que sejam definidas as estratégias terapêuticas e os recursos necessários a curto elongo-prazo, o apoio sócio-escolar, para além de prevenir/retardar o surgimento de eventuais complicações.

Palavras-chave: Paralisia Cerebral; Criança.


Texto Completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.25759/spmfr.25

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação