Avaliação do Nível de Conhecimento Sobre Disreflexia Autonómica numa Unidade de Cuidados Intensivos

Marta Ribeiro de Oliveira, Cristina Miranda Cruz, Filipe Antunes

Resumo


Introdução: O objectivo do estudo foi avaliar o nível de conhecimento sobre disreflexia autonómica, as suas causas e sintomas, tratamento e complicações, em profissionais de saúde em meio hospitalar, nomeadamente médicos e enfermeiros de uma Unidade de Cuidados Intensivos.

Material e Métodos: O desenho do estudo consistiu na criação de um questionário, adaptado de dois questionários previamente publicados. Foi utilizado em formato digital e em papel e foi aplicado aos médicos e enfermeiros da Unidade de Cuidados Intensivos.

Resultados: Um total de 52 profissionais de saúde completou o questionário (7 médicos e 45 enfermeiros). Dos médicos 43% (n = 3) e 60% (n = 27) dos enfermeiros que responderam ao questionário nunca ouviram falar de disreflexia autonómica. Apenas 3 dos enfermeiros e 1 dos médicos teve formação pré-graduada sobre disreflexia autonómica. Todos os enfermeiros com a especialidade de Enfermagem de Reabilitação (n = 4) conheciam o termo disreflexia autonómica e pontuaram de modo superior aos restantes enfermeiros. Todos os inquiridos gostariam de ter mais informação sobre o tema.

Conclusões: A disreflexia autonómica é considerada uma emergência médica e deve ser imediatamente reconhecida e tratada, de modo a prevenir complicações graves. É ainda pouco reconhecida por profissionais de saúde fora da área da reabilitação, havendo habitualmente pouca ou nenhuma formação graduada ou pósgraduada sobre lesão medular. Apesar de a disreflexia autonómica ocorrer mais frequentemente na fase crónica da lesão, pode estar presente nos primeiros dias ou semanas, acreditando-se que seja ainda pouco identificada nesta fase. Todos os profissionais de saúde que lidam com indivíduos com lesão medular devem estar alertados para esta entidade dado ser uma potencial emergência médica, muito para além dos cuidados em reabilitação.


Palavras-chave


Conhecimentos, Atitudes e Prática em Saúde; Cuidados Intensivos; Disreflexia Autonómica; Inquéritos e Questionários; Lesão Medular

Texto Completo:

PDF

Referências


Teasell RW, Arnold JM, Krassioukov A, Delaney GA. Cardiovascular consequences of loss of supraspinal control of the sympathetic nervous system after spinal cord injury. Arch Phys Med Rehabil. 2000; 81:506–16.

Krassioukov A, Claydon VE. The clinical problems in cardiovascular control following spinal cord injury: an overview. Prog Brain Res. 2006;152:223–29.

Krassioukov A, Warburton DE, Teasell R, Eng JJ; Spinal Cord Injury Rehabilitation Evidence Research Team. A systemic review of the management of autonomic dysreflexia after spinal cord injury. Arch Phys Med Rehabil. 2009;90:682-95.

Jackson CR, Acland R. Knowledge of autonomic dysreflexia in the emergency department. Emerg Med J. 2011; 28:866-9.

Sullivan AL, Morgan C, Bailey J. Dental professionals’ knowledge about treatment of patients with spinal cord injury. Spec Care Dentist. 2009; 29:117-22.

Krassioukov AV, Furlan JC, Fehlings MG. Autonomic dysreflexia in acute spinal cord injury: an under-recognized clinical entity. J Neurotrauma. 2003; 20:707-16.

Silver JR. Early autonomic dysreflexia. Spinal Cord. 2000;38:229-33.

Consortium for Spinal Cord Medicine. Paralyzed Veterans of America. Acute management of autonomic dysreflexia: individuals with spinal cord injury presenting to health-care facilities. 2nd ed. Washington:Paralyzed Veterans of America; 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação